Bem-vindos ao site do Focep!


 

Prev Next Page:

Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica e 1ª reunião do Focep

Notícias 25-02-2021 Lilian Russo

Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica  e 1ª reunião do Focep

No dia 15 de março acontece a Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica e a primeira reunião do FOCEP Tema: "A Importância da Participação da Sociedade na Pesquisa Clínica" - atividade gratuita Horário: das 10 às 13h Evento online Abertura:• Greyc...

Read more

Senado inicia campanha para celebrar o Dia Mundial das Doenças Raras Fonte: Agência Senado

Notícias 22-02-2021 Lilian Russo

Senado inicia campanha para celebrar o Dia Mundial das Doenças Raras  Fonte: Agência Senado

Em celebração ao Dia Mundial das Doenças Raras, comemorado em 28 de fevereiro, a Subcomissão Temporária sobre Doenças Raras, presidida pela senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP), iniciou nesta quinta-feira (18) a Campanha Raros na Pandemia. A campanha nas redes sociais busca chamar atenção para a falta de políticas p&uac...

Read more

Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica e primeira reunião do FOCEP

Notícias 15-02-2021 Lilian Russo

Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica e primeira reunião do FOCEP

No dia 15 de março acontece a "Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica" e a primeira reunião do FOCEP Tema: "A Importância da Participação da Sociedade na Pesquisa Clínica" - atividade gratuita Horário: das 10 às 13h Evento online Não é...

Read more

Confira informe da Anvisa sobre atualização do Guia 42 – uso emergencial

Notícias 10-02-2021 Lilian Russo

Confira informe da Anvisa sobre atualização do Guia 42 – uso emergencial

A Segunda Diretoria da Anvisa apresentou nesta terça-feira (9/2), durante a 2ª Reunião Ordinária Pública da Diretoria Colegiada de 2021, o Informe n. 1/2021/SEI/DIRE2/ANVISA, sobre a terceira atualização do Guia 42/2020, que dispõe sobre os requisitos para submissão de solicitações de autorizaç&at...

Read more

Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica

Notícias 05-02-2021 Lilian Russo

Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica

No dia 15 de março de 2021 (segunda-feira), das 10h às 13h, acontece a “Abertura da Semana Municipal de Informação e Divulgação da Pesquisa Clínica” e a primeira reunião do FOCEP. Tema: "A Importância da Participação da Sociedade na Pesquisa Clínica" Evento gratuito. Não h&a...

Read more

COVID-19 pode alterar o padrão de conectividade funcional do cérebro, aponta estudo

covidcerebroDados preliminares de um estudo conduzido na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) sugerem que a COVID-19 – mesmo nos casos leves – pode alterar o padrão de conectividade funcional do cérebro, causando uma espécie de “curto-circuito” no órgão.
As conclusões se baseiam em exames de ressonância magnética funcional (com sequência de repouso) feitos em 86 voluntários que já haviam se curado da infecção há pelo menos dois meses. Os resultados foram comparados com os de 125 indivíduos que não tiveram a doença e

serviram como controle.
“No cérebro normal, determinadas áreas estão sincronizadas durante uma atividade,

enquanto outras estão em repouso. Já no caso desses indivíduos que tiveram COVID-19, notamos uma perda severa da especificidade das redes cerebrais. Tudo está conectado ao mesmo tempo e isso provavelmente leva o cérebro a gastar mais energia e trabalhar de forma menos eficiente”, conta Clarissa Yasuda, professora da Faculdade de Ciências Médicas (FCM-Unicamp) e integrante do Instituto de Pesquisa sobre Neurociências e Neurotecnologia (BRAINN), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da FAPESP.

Os dados – ainda não publicados – foram apresentados por Yasuda nesta quarta-feira (27/01), durante o 7o BRAINN Congress. O estudo ainda está em andamento e o grupo tem a intenção de incluir mais participantes. A ideia é acompanhar os desdobramentos cerebrais da infecção pelo SARS-CoV-2 durante ao menos três anos.

Segundo Yasuda, ainda não se sabe de que modo o vírus causa essa alteração na conectividade cerebral, mas há algumas hipóteses a serem investigadas. “É possível que a infecção prejudique parte das redes neurais e, para compensar a falha no sinal, o cérebro ative outras redes simultaneamente. Essa hiperconectividade pode também ser uma tentativa do cérebro de restabelecer a comunicação nas áreas afetadas”, diz a pesquisadora.

Outra hipótese a ser estudada pelo grupo da Unicamp é se esse estado de disfunção cerebral tem relação com alguns dos sintomas tardios da COVID-19 relatados por diversos pacientes, como fadiga, sonolência diurna e alterações de memória e concentração.

“Pretendemos comparar o funcionamento cerebral de pacientes que apresentam esses sintomas tardios com o de pessoas que se curaram da doença e ficaram sem sintomas. Se essa relação entre hiperconectividade e sintomas neuropsicológicos persistentes se confirmar, poderemos pensar em drogas e outros tratamentos capazes de amenizar o quadro”, conta à Agência FAPESP.

Alterações estruturais e funcionais

A pesquisa começou no segundo semestre de 2020, com um questionário on-line respondido por mais de 2 mil pessoas de todo o país. Foram incluídos apenas indivíduos com a doença confirmada por teste de RT-PCR, e aproximadamente 90% não precisaram de tratamento hospitalar (apenas tratamento domiciliar). Nessa fase, os participantes relataram os sintomas que estavam vivenciando cerca de dois meses após o diagnóstico. Os mais comuns foram fadiga/cansaço (53,5%), cefaleia (40,3%) e alteração de memória (37%).

Após seis meses, também por meio de questionário on-line, 642 participantes relataram ainda sofrer com os sintomas tardios da doença, entre eles fadiga/cansaço (59,5%), sonolência diurna (36,3%), alterações de memória (54,2%), dificuldade de concentração (47%) e para realizar as atividades diárias (23,5%). Além disso, 41,9% relataram sintomas de ansiedade – um percentual bem acima da média da população brasileira, que é em torno de 10%.

Parte dos voluntários foi avaliada presencialmente pelos pesquisadores e submetida a testes neuropsicológicos – para avaliar funções cognitivas como memória e atenção – e exames de ressonância magnética, que permitiram analisar de forma não invasiva tanto a substância cinzenta do cérebro (onde fica o corpo dos neurônios) como a chamada substância branca (onde ficam os axônios e células gliais). As avaliações foram feitas após o termino da fase aguda, em média 55 dias após o diagnóstico.

“Ajustamos os resultados dos testes neuropsicológicos de acordo com a idade, o sexo e a escolaridade do participante. Foi possível perceber que os indivíduos com sintomas tardios da COVID-19 tiveram um desempenho cognitivo abaixo do esperado. Eles se saem pior que a média dos indivíduos brasileiros em algumas tarefas”, conta Yasuda.

Já os exames de imagem revelaram que algumas regiões do córtex dos voluntários tinham espessura menor do que a média observada nos controles – entre elas áreas relacionadas com a ansiedade. Outras regiões apresentavam aumento de tamanho, o que pode estar relacionado com o inchaço decorrente da infecção (leia mais em agencia.fapesp.br/34364/).

Mais recentemente, por uma técnica conhecida como tractografia, os pesquisadores notaram que também havia lesões na microestrutura da substância branca. Ainda não se sabe, porém, quais as implicações desse achado.

“Ninguém sabe ao certo de que forma o vírus afeta o cérebro: se é um dano indireto, relacionado à inflamação, ou se está diretamente ligado à infecção das células cerebrais”, comenta a pesquisadora. “De qualquer forma, os achados são surpreendentes e um pouco assustadores. Creio que já está bem claro que a COVID-19 não se trata apenas de uma gripe.”

Interessados em participar do estudo podem entrar em contato com o grupo da Unicamp pelo endereço https://forms.gle/8SoNb3tFqCwpARAo7. São elegíveis todos os indivíduos que tiveram COVID-19, ainda que sem queixas residuais.

Por Karina Toledo | Agência FAPESP –
imagem: Brunno Machado de Campos/Unicamp

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.