Bem-vindos ao site do Focep!


 

Prev Next Page:

Vacina de Oxford: alterações no protocolo de pesquisa

Notícias 10-08-2020 Lilian Russo

A Anvisa autorizou hoje à pedido uma mudança no protocolo de pesquisa da vacina de Oxford contra o Covid-19. O produto está em fase de pesquisa como possível proteção contra a doença.

Read more

Vídeo da última reunião do Focep

Notícias 05-08-2020 Lilian Russo

O vídeo de nossa última reunião do dia 27 de julho de julho está disponível na íntegra no site da SBPPC, nossa parceira.Basta acessar o link:https://www.sbppc.org.br/g-focep-uma-visao-sistemica-do-projeto-de-lei-708217-20200727-1232-1-

Read more

Dia 4 de agosto - Dia Nacional da Campanha Educativa de Combate ao Câncer

Notícias 04-08-2020 Lilian Russo

Dia 4 de agosto - Dia Nacional da Campanha Educativa de Combate ao Câncer

Hoje, dia 4 de agosto, é comemorado o Dia Nacional da Campanha Educativa de Combate ao Câncer. Esse dia tem como objetivo chamar a atenção da sociedade para o cuidado constante com a saúde, por meio de medidas que possam prevenir o câncer. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), todos os anos, no mundo, mais de 12 mil...

Read more

Próximas reuniões do FOCEP - 2020

Notícias 27-07-2020 Lilian Russo

As próximas reuniões do FOCEP serão nos dias: 31 de agosto - das 9:30 às 12h28 de setembro- das 9:30 às 12h26 de outubro- das 9:30 às 12h30 de novembro- das 9:30 às 12h

Read more

Reunião - dia 27 de julho - “Visão Sistêmica do PL 7082/17”

Notícias 22-07-2020 Lilian Russo

Reunião - dia 27 de julho -  “Visão Sistêmica do PL 7082/17”

Nossa próxima reunião será no dia 27 de julho, das 9:30h às 12h, on-line, pela plataforma WebexO tema será: “Visão Sistêmica do PL 7082/17” Promoção: FOCEP em parceria com a SBPPCApoio: Câmara Municipal de São Paulo - Gabinete do Vereador Paulo Frange Qualquer dúvida, mande um e-mail...

Read more

O pós-covid é agora: distanciamento e testagem serão rotina por longo tempo

mascara1Não estava no script. Embora há tempos cientistas alertassem sobre a emergência de micro-organismos com potencial de impactar severamente a saúde global, ninguém esperava tamanha reviravolta nos planos individuais e sociais neste início de nova década. As mudanças que o mundo se viu obrigado a adotar diante da ameaça da covid-19 não são passageiras, segundo especialistas. O novo normal afeta a forma como a saúde pessoal e pública serão manejadas, dizem. “Hábitos como higiene frequente das mãos, evitar tocar a face sem higienizar as mãos previamente, uso de máscaras faciais em locais públicos, distanciamento físico entre pessoas e evitar aglomerações

ainda serão necessários por um tempo. O fim da pandemia não será um evento pontual”, destaca a infectologista Magali Meirelles, membro da diretoria da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal (Leia três perguntas para). Do ponto de vista da saúde pública, sistemas de vigilância mais eficazes, melhor comunicação sobre patógenos emergentes, mais investimento em pesquisa e novas formas de atender aos pacientes — incluindo unidades de terapia intensivas (UTIs) remotas — são algumas das adaptações apontadas por pesquisadores.

Recentemente, a empresa de consultoria McKinsey & Company elencou três pontos, considerados críticos pelos especialistas da companhia, dos serviços de cuidados com a saúde no contexto pós-pandêmico. Novos paradigmas para infraestrutura, excelência operacional e novas oportunidades/diversificações no atendimento foram as mudanças consideradas essenciais no que diz respeito a como clínicas e hospitais devem se preparar para desafios semelhantes à covid-19. Esses pontos são detalhados pelos consultores, que sugerem ações como manipulação remota dos equipamentos de assistência a pacientes intubados (desafogando as instalações hospitalares), expansão dos serviços de telemedicina e fortalecimento de parcerias dos setores público e privado.

O novo normal, porém, não está no futuro, quando o Sars-CoV-2 já não se configurar como uma ameaça. À medida que as atividades econômicas e laborais são retomadas em plena pandemia, alterações no estilo de vida e nas relações sociais precisam ser uma realidade, defende Michael Chang, especialista em doenças infecciosas da Universidade do Texas em Houston. “À medida que os testes de covid se tornam mais amplamente disponíveis, será essencial testar toda a população que reentra na força de trabalho, mesmo os indivíduos assintomáticos. Para casos suspeitos e previamente confirmados, o teste de anticorpos também é necessário. Isso pode ajudar a determinar se os indivíduos desenvolveram algum nível de imunidade ao vírus”, diz.

Chang também reforça a necessidade de uma comunicação sincera entre famílias e escolas. “As escolas precisam ter uma boa comunicação com os pais, os filhos precisam ficar em casa se estiverem doentes. O mesmo vale para adultos. Escolas e empresas devem reavaliar os procedimentos de limpeza para garantir que usem a abordagem e os produtos ideais diariamente”, afirma Chang. “Prevenir outro pico nos casos dependerá da resposta duradoura a essa pandemia.”

Por: Paloma Oliveto
Correio Braziliense

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.